30ª Pesquisa Hotelaria em Números – um raio X do setor hoteleiro

Leitura de 2,5min

O setor hoteleiro começou a dar sinais de recuperação em 2017, com os hotéis brasileiros registrando uma ligeira melhora no índice médio de ocupação – subiu de 55,2% em 2016 para 56,5% no ano passado.

Apesar disso, a diária média recuou 6,7% quando comparado a 2016, o que afetou significativamente a margem de lucro dos hotéis. Com isso, o REVPAR (receita por apartamento disponível) registrou o terceiro ano de queda consecutivo em 2017.

Esses são alguns dos dados disponibilizados pela pesquisa Hotelaria em Números – Brasil 2018, da JLL, única pesquisa do mercado brasileiro que faz uma análise profunda do setor e serve de fonte para o planejamento estratégico dos hotéis no país.

Assim como Ricardo Mader, diretor de Hotéis e Hospitalidade da JLL, cita no vídeo acima, essa é a 30ª pesquisa feita pela empresa sobre o setor hoteleiro. Além da performance dos hotéis, o estudo faz uma análise histórica do segmento. A pesquisa foi realizada com aproximadamente 500 hotéis, resorts e flats e avaliou o desempenho de 2017.

Dados regionais

Em 2017, das cidades que apresentaram melhor desempenho no setor hoteleiro, o destaque fica com Brasília. Ao contrário do que aconteceu na maioria do país, o valor médio da diária registrou aumento de 2,4%. A taxa de ocupação também cresceu, passando de 51,2% em 2016 para 54,4% em 2017.

Outras cidades que registraram bom desempenho em 2017:

  • São Paulo
  • Fortaleza
  • Curitiba
  • Salvador

Cidades que tiveram maior queda na taxa de ocupação e no REVPAR:

  • Rio de Janeiro
  • Belo Horizonte
  • Manaus

Expectativas

O setor hoteleiro iniciou 2018 com tendência de melhora, porém, fatores como a desvalorização do Real e a queda da expectativa de crescimento do PIB do país reduziram as projeções de ocupação dos hotéis. Ainda assim, a pesquisa Hotelaria em Números aponta para uma possível melhora no valor médio das diárias e consequente crescimento no REVPAR até o final do ano.

Mader também acredita que a recuperação do setor hoteleiro, especialmente do valor das diárias, será mais expressiva a partir de 2019.