Big Data no setor imobiliário

Leitura de 4min

Sensores sem fio de coleta permitem o envio de dados de sistemas de automação predial para um centro de comando remoto.

Grandes volumes de informações trafegam diariamente na internet. A esse conjunto de dados – que exige ferramentas altamente sofisticadas para pesquisa, armazenagem e compartilhamento – dá-se o nome de Big Data. Facilmente associado a gigantes da tecnologia, como Google, IBM e Facebook, o conceito também é aplicado no setor imobiliário. Segundo Dave Sawdey, diretor de Business Intelligence da JLL nos Estados Unidos, o Big Data significa muito mais do que comprar e navegar na web.

Ele é cada vez mais parte da rotina de nosso trabalho. Empresas imobiliárias de grande porte e gerentes de propriedade atualmente utilizam a coleta de dados para entender como edifícios operam, escritórios funcionam e pessoas trabalham. Essas informações estão tornando seus ambientes de trabalho e funcionários mais eficientes e produtivos, além de seus negócios mais rentáveis”, considera, ao mencionar que o Intellij Command, serviço de monitoramento e controle remoto em tempo real da JLL, oferece dados exatos sobre a operação de determinado edifício.

Sensores sem fio de coleta permitem o envio de dados de sistemas de automação predial para um centro de comando remoto. Essa tecnologia machine-to-machine (M2M) informa à equipe de operações onde há uma falha de sistema e onde o consumo de energia pode ser melhorado”, explica o executivo.

Aproveite para ler o artigo “Por que o mercado imobiliário pode ser a próxima fronteira do Big Data”.