Centro de São Paulo passará por processo de revitalização imobiliária

Leitura de 6min

Por meio da parceria entre a iniciativa pública e privada, a prefeitura municipal pretende modernizar a imagem da região.

Conhecido pela arquitetura histórica e grande circulação diária de pessoas, o centro de São Paulo já foi cenário de vários planos de revitalização nos últimos anos. Nenhum, porém, seguiu adiante ou gerou resultados significativos. Recentemente, o local ganhou novamente destaque, após anúncio do programa Casa Paulista feito pelo atual prefeito Fernando Haddad. Por meio da parceria entre a iniciativa pública e privada, a prefeitura municipal pretende modernizar a imagem da região.

Mais de R$ 4,6 bilhões serão destinados à construção de 20 mil moradias, erguidas sob o conceito misto – direcionado a uma população com diferentes faixas salariais –, beneficiando cerca de 80 mil pessoas.  Revitalizar a estrutura comercial e cultural dos imóveis também faz parte das metas do programa.

Trata-se de um plano ambicioso, considerando-se a burocracia, as mudanças de zoneamento e as ocupações ilegais que hoje fazem parte da realidade local. Por outro lado, é uma proposta interessante por sua abrangência, já que envolve não apenas a habitação e também a áreas de serviço e comércio”, avalia José Victor Cardim, gerente da área de Representação de Ocupantes da JLL.

Em sua opinião, o desenvolvimento habitacional da região tende a contribuir ainda mais para o crescimento do setor de transporte e de serviços (bares, restaurantes), ampliando o interesse da população pela região. “Se o projeto for de fato implantado certamente haverá uma valorização dos imóveis”, afirma. Hoje, o centro concentra 20% dos empregos do estado. Abriga escritórios antigos – instalados em prédios erguidos nas décadas de 1960 e 1970 –, utilizados, principalmente, por prestadores de serviços e estruturas operacionais de grandes empresas.

“Mudanças que promovam a modernidade podem transformar o centro em uma alternativa viável a regiões que hoje já sofrem com a escassez de terrenos, a exemplo da Avenida Paulista”, explica Cardim. A disponibilidade de terrenos, somada a diversidade de transportes públicos e a um futuro reforço na segurança, revela o potencial imobiliário da região nos próximos anos.

Com a implantação do programa, o centro tende a ser mais uma boa opção para a instalação de empreendimentos comerciais de São Paulo”, ressalta o executivo.