Coworking é a melhor opção para a sua empresa?

Leitura de 3min

JLL analisa o avanço dos espaços compartilhados no Brasil e no mundo

A demanda das empresas por espaços de trabalho mais flexíveis vem crescendo rapidamente no mundo todo e provocando várias mudanças no mercado imobiliário. De um lado, proprietários estão tendo que adaptar seus imóveis para atender essa nova demanda e, de outro, as empresas estão mudando a forma como enxergam seus espaços de trabalho e como buscam imóveis para estabelecer seus escritórios.

Mas a decisão sobre qual o estilo ideal de escritório, o espaço que melhor reflete o modo de trabalho de uma empresa não é uma escolha fácil. Uma empresa pode transformar seu escritório próprio em um local de trabalho mais colaborativo, com planos mais abertos e projetos que incluam áreas de integração, por exemplo. Ainda, pode optar por ocupar espaços de coworking.

Há muitas variáveis que precisam ser colocadas na mesa antes da tomada de decisão. Os espaços compartilhados trazem diversos benefícios para as empresas, mas apresentam também alguns desafios que precisam ser ponderados.

Não existe uma fórmula que sirva para todas as empresas. Por isso, a análise sobre a melhor estratégia de ocupação precisa sempre ser realizada por profissionais qualificados, com experiência no mercado imobiliário e que saibam avaliar o modelo de operação, as necessidades específicas de cada negócio e os cenários de mercado.

Para ajudar as empresas a entender um pouco mais sobre o avanço desses novos espaços de trabalho, a JLL desenvolveu o e-book Espaços Compartilhados.

O material traz um breve histórico sobre a evolução dos coworking no Brasil e um cenário detalhado do segmento na cidade de São Paulo. Avalia também as principais tendências, benefícios e desafios dos espaços compartilhados, e traz uma comparação com escritórios tradicionais. O relatório também oferece uma análise sobre quando considerar esses espaços como uma opção de ocupação.

Coworking em crescimento

O segmento de coworking vem avançando rapidamente no mundo e no Brasil e a tendência é que o ritmo de expansão continue acelerado nos próximos anos. “Apesar de o coworking ser um modelo recente no Brasil, a entrada das principais empresas do segmento no país, tomando grandes áreas em prédios de alto padrão em São Paulo e no Rio, é uma evidência de que o coworking continuará expandindo e disputando o mercado tradicional de escritórios”, explica Simone Shoji, da área de Pesquisa e Inteligência de Mercado da JLL.

Segundo o relatório, a estimativa é de que existam 810 espaços de coworking operando no Brasil. O segmento registrou um crescimento de 114% em 2017, comparando com o ano anterior.

Em São Paulo, as duas maiores empresas de coworking ocupam 50 mil m². No Rio, são 22 mil m². E a perspectiva é de que esses números continuem crescendo: a JLL já registra 40 mil m² pré-locados pelos maiores players do segmento nas duas capitais.