Faria Lima é a primeira a se recuperar da crise em São Paulo

Leitura de 1min

Região mais nobre da capital paulista, a Faria Lima lidera o ciclo de ascensão de preços

A experiência de quem vivencia o mercado imobiliário já permite afirmar: a região da Av. Faria Lima, em São Paulo, começa a experimentar um novo ciclo de alta em escritórios corporativos.

Foi a última afetada pelas consequências da crise e a que menos sofreu com redução de preços – nos últimos 12 meses (período relativo ao 3º. trimestre de 2016 e 3º. trimestre de 2017), a queda de preços não chegou a 1,5%, enquanto em outras regiões da cidade o metro quadrado caiu entre 10% e 15%. Como esperado, também é a primeira a apresentar fortes sinais de recuperação”, afirma o diretor regional de Transações da JLL, Pedro Candreva, lembrando que essa sempre foi uma região muito demandada.

Apesar de reunir o segundo maior volume de metros quadrados de escritórios de alto padrão da cidade, a região dispõe de poucos espaços vagos e há apenas uma entrega prevista para o segundo semestre de 2018, do HBR Lead Corporate, com 12 mil m2. “Com a lei de zoneamento muito restritiva e poucos terrenos com autorização para construir, novos projetos são escassos. São esperados dois novos empreendimentos somente em 2020 e 2021”, avisa Débora Costa, da área de Pesquisa e Inteligência de Mercado da JLL.

Segundo ela, a vacância aumentou de 16% no terceiro trimestre de 2016 para 17% no terceiro trimestre de 2017, porém nesse período houve entrega de dois edifícios, colocando no mercado 32.900 m². Mesmo assim, a vacância ajustada (indica o percentual de espaços disponíveis no mercado) só subiu um ponto percentual, ou seja, os espaços vagos da região continuaram sendo absorvidos, e a taxa se manteve próxima do patamar de equilíbrio, mesmo com as novas entregas. As maiores absorções deste ano foram da Cosan, Google e Stocche Forbes, reforçando a tendência de diversificação de ocupantes. Tradicionalmente, a região da Faria Lima era endereço de corporações financeiras, escritórios de advocacia e de gestores de fortunas e capitais.

Atualmente, os edifícios Vera Cruz II, pioneiro na pré-certificação LEED nível platinum na região, Miss Sílvia Morizono, Pátio Malzoni e Faria Lima Corporate são alguns dos poucos endereços que ainda contam com espaços disponíveis.

Há negociações relevantes muito adiantadas ou em fase de assinatura de contrato e, em breve, boa parte desse estoque já estará indisponível. Vai mudar o cenário do mercado. As pesquisas de mercado irão registrar essas absorções apenas no próximo trimestre. É nítido que haverá um desequilíbrio na oferta e procura na Faria Lima. É como um vulcão. Sabemos que está entrando em erupção”, afirma Candreva.

O diretor de Transações da JLL acredita que a recuperação da Faria Lima precede um novo ciclo de alta em todas as regiões da cidade. “O relógio imobiliário está marcando 6 horas nas regiões nobres de São Paulo, mostrando que o mercado atingiu o ponto mais baixo no ciclo imobiliário e começa a subir. Mas na Faria Lima esse crescimento já começou”, conclui.

Conheça os imóveis comercializados pela JLL na Faria Lima.

Saiba mais em: Tendência é de recuperação de preços no mercado de escritórios corporativos em São Paulo

Entenda e aproveite os ciclos imobiliários

 

Foto: Pedro Abude