Galpões estão na mira das empresas de e-commerce

Leitura de 5min

Escritórios de alto padrão, acima de 10 mil m², estão ficando escassos em São Paulo

Mesmo com a economia crescendo pouco e a indústria passando por um momento de retração, a procura por galpões e condomínios logísticos segue em alta. A demanda tem sido puxada por empresas que atuam no segmento de comércio eletrônico.

Há uma tendência comprovada de absorção de centros logísticos por esses clientes. São operações em áreas que envolvem 20 mil, 40 mil, 50 mil metros quadrados”, exemplifica Pedro Candreva, diretor comercial da JLL.

Em São Paulo, os galpões que encontram maior procura estão em regiões bem localizadas e com bom acesso a rodovias. São os casos de Guarulhos, Cajamar, Itapevi e Jundiaí.

Hora de mudar

Grandes empresas estão aproveitando o momento favorável – que combina entrega de novo estoque qualificado com preços de aluguel em conta –, e estão mudando para sedes mais modernas.

O fenômeno, que acontece com maior intensidade em São Paulo, já provoca efeitos colaterais. Afinal, está ficando cada vez mais complicado encontrar edifícios novos de alto padrão com grandes espaços disponíveis para locação.

Com a atual janela de oportunidade, muitas companhias de grande porte aproveitaram para se mudar e concentrar operações num único prédio. Por essa razão, achar áreas acima de 10 mil metros quadrados não é mais uma tarefa fácil”, observa Candreva.

Recentemente, por exemplo, a JLL auxiliou três clientes que buscavam espaços com essas características.

O especialista observa que, embora imóveis com esse perfil ainda estejam disponíveis, mantidos os atuais patamares de absorção, devem ficar mais escassos a partir do próximo ano. “Os proprietários têm se mostrado bastante flexíveis na negociação de valores, mas, com a procura crescente por parte dos inquilinos, o espaço para negociação tende a ficar menor.”