Galpões mais modernos aumentam a eficiência logística

Leitura de 7min

Novos segmentos de e-commerce e a tendência de consolidação de operações logísticas são os principais movimentos observados no mercado de galpões.

Até 2017, o estoque de galpões logísticos de alto padrão deverá crescer 51%, chegando a 37,4 milhões de m² em todo o Brasil, de acordo com levantamento da área de Pesquisa da JLL, que cobre 70 países e mobiliza 350 profissionais. Mais da metade dessa expansão ocorrerá no Estado de São Paulo (cerca de 7 milhões de m²) e 18%, no Rio de Janeiro.

São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná concentrarão dentro de dois anos 76% do total nacional de estoques. Observa-se o início de uma tendência de descentralização dos novos empreendimentos para Pernambuco, Ceará e Sul do Brasil.

Atualmente, a taxa de vacância está em 13,5% em São Paulo e em 4,3% no Rio de Janeiro. Já os novos estoques apresentam uma vacância de 61%. O preço pedido por metro quadrado caiu 0,8% no Brasil, com média de R$ 20,91 por mês. As maiores variações ocorreram em São Paulo (-2,8%) e no Rio (-1,1%), ficando praticamente estáveis nos demais estados.

Em 2014, foram entregues cerca de 1,9 milhão de m² no Brasil. Em São Paulo, as regiões de Campinas, Jundiaí e Cajamar foram responsáveis por quase 574 mil m² entregues nesse período. No Rio de Janeiro, as principais regiões foram Queimados e Duque de Caxias. Só em 2015 está a prevista a entrega de 6 milhões de m², equivalentes ao dobro do estoque do Rio de Janeiro.

Apesar do cenário econômico desfavorável, no mercado de galpões há previsão de expansão e há muitos investimentos na construção de imóveis que atendam às novas necessidades dos usuários. Enquanto alguns setores apresentam restrições de mercado importantes, novos segmentos estão tomando posição e demandando espaços para estoque e distribuição de produtos. É o caso do e-commerce, um negócio que requer galpões modernos”, afirma Pedro Candreva, diretor regional da JLL.

Segundo ele, depois da onda dos eletroeletrônicos, novos operadores e segmentos de e-commerce estão entrando no mercado com força, como vestuário, calçados, livros. “Empresas do varejo e grandes operadores logísticos também estão consolidando suas operações, antes espalhadas em diversos galpões obsoletos, em um só imóvel, mais moderno. Dessa forma, ganham sinergia, reduzem custos com funcionários, ganham maior agilidade e maior segurança”, afirma Pedro.

Em muitos casos, o locatário ainda consegue pagar um preço menor por metro quadrado do que os contratos atuais, queda explicada pela redução do ritmo da economia em geral, que afetou o preço dos aluguéis. “Mas o tomador está disposto a pagar o mesmo ou até mais em razão dos diversos benefícios que os novos galpões oferecem”, afirma Pedro.

A área de supply chain hoje é muito relevante para a competitividade dos negócios. Por isso, as empresas buscam condições para alcançar a máxima eficiência logística, priorizando galpões bem localizados tanto para seu abastecimento quanto para a distribuição de produtos”, observa Pedro.

Os novos empreendimentos seguem as mais avançadas tecnologias de construção e automatização, preveem arruamento adequado para facilitar a manobra de veículos de todos os portes, estacionamento intramuros para caminhões, carretas, vans e VUCs (Veículos Urbanos de Carga) e área de descanso para motoristas.

A maior parte dos novos projetos situa-se no entorno da cidade de São Paulo, num raio de até 70 quilômetros. A restrição de circulação de caminhões na cidade de São Paulo, Barueri, Alphaville e Tamboré fez surgir novas regiões focadas em galpões logísticos, com destaque para as vizinhas Cajamar, Santana de Parnaíba, Itapevi e Araçariguama, com fácil acesso às principais rodovias e próximas à capital.

No Rio de Janeiro, os investimentos migram da Baixada Fluminense, onde a falta de segurança é um problema sério, para a região de Seropédica e Queimados, mais seguras e onde se instalaram indústrias automobilísticas nos últimos anos. No caso de São Paulo, fogem também dos altos preços dos terrenos em regiões mais próximas à capital.

Por que mudar para um galpão novo?

• Com pé direito mais alto – até 12 metros –, galpões novos representam um ganho de área de armazenamento, já que a capacidade é medida em metros cúbicos. Ao mesmo tempo, a locação é cobrada por metro quadrado, o que significa estocar mais ao mesmo custo.
• Os projetos modernos incluem docas com niveladores de altura elétricos, que facilitam o embarque e desembarque.
• Estacionamentos intramuros oferecem maior segurança ao caminhão, ao motorista e à carga.
• Salas de espera e de descanso e banheiros proporcionam conforto ao motorista.
• Galpões modernos contam com isolamento térmico e acústico e piso nivelado a laser, com capacidade de 5 a 6 toneladas por metro quadrado.

Aproveite para ler a matéria que fizemos com a Prologis CCP.