Hotéis boutique ganham destaque no cenário brasileiro

Leitura de 6min

Considerada um dos principais destinos turísticos e de negócios do país, a cidade do Rio de Janeiro hoje conta com 42 projetos hoteleiros.

Presente em grandes capitais mundiais, como Nova Iorque, Londres, Paris, Hong Kong, o conceito de hotel boutique tem conquistado mais destaque no Brasil nos últimos anos. Conhecidos pela arquitetura, localização e design únicos, esses empreendimentos, no entanto, apresentam dois fatores em comum: a privacidade e o atendimento.

Eles são permeados de imaginação, com o objetivo de oferecer uma experiência diferenciada de hospedagem, cheia estilo e com um serviço personalizado aos clientes”, explica Roberta Oncken, gerente de Hotéis e Hospitalidade da JLL, ao ressaltar que exclusividade é outra característica desses locais, diferentes de qualquer outro hotel existente em uma cidade.

Considerada um dos principais destinos turísticos e de negócios do país, a cidade do Rio de Janeiro hoje conta com 42 projetos hoteleiros, representando mais de 10 mil apartamentos. “Desse total, três empreendimentos são do tipo boutique, que para garantir um atendimento personalizado, têm no máximo 100 quartos”, completa a executiva. Para comprovar o potencial desse mercado, recentemente a JLL coordenou o processo de venda da Casa da Áustria, pertencente, até então, ao governo austríaco. Por não ser uma área tombada pelo Patrimônio Histórico, seu terreno de 1000 m2 foi adquirido pelo Hotel Emiliano, por R$ 40 milhões.

“Assim que a casa foi colocada à venda, recebemos vários contatos de brasileiros e estrangeiros, interessados em implantar projetos residenciais ou hoteleiros. Afinal, tratava-se da penúltima oferta de imóvel existente na orla de Copacabana, um dos endereços mais cobiçados da cidade”, justifica Roberta. Devido a essa realidade, o Rio de Janeiro hoje oferece desafios para os empreendedores do setor, que pretendem implantar novos hotéis de frente para a praia. “A oferta de hotéis de luxo na cidade é limitada quando comparada a outras capitais do mundo e o novo Hotel Emiliano deverá ser uma importante adição no cenário da hotelaria carioca”, acrescenta.

A proposta do Emiliano de erguer no local um prédio com no máximo 80 quartos está alinhada com as perspectivas da JLL para o mercado de hotéis boutique no Brasil.

Percebemos que jovens turistas e executivos procuram cada vez mais os locais exclusivos. Isso explica o sucesso do Marina Suítes, pioneiro nesse segmento, e de hotéis como o Fasano, em Ipanema, e o Santa Teresa, em Santa Teresa. Acreditamos que o investidores agora procuram imóveis em lugares históricos da cidade”, diz a executiva, ao reforçar o know-how da JLL nessa área.

Em março deste ano, uma matéria do jornal O Globo revelou que parte do casario do Largo do Boticário, no Cosme Velho, próximo ao Cristo Redentor, foi desapropriada pela prefeitura do Rio. Em decreto, a prefeitura tornou de utilidade pública alguns imóveis que compõem o Largo. Segundo a reportagem, esse conjunto de casas em estilo neocolonial do fim do século XIX, hoje em ruínas, pode virar um complexo de hotéis boutique. Após licitação e reformas, o Largo do Boticário poderá recuperar o glamour e a sua importância histórico-cultural.