Pavuna é um importante bairro no Rio de Janeiro para o mercado de logística, distribuição, armazenagem e varejo. Sua relevância se dá pelo fato de a região possibilitar acesso a duas importantes rodovias – Presidente Dutra, interligando o Estado com Minas Gerais, São Paulo e o Nordeste; e Avenida Brasil, com conexão para as rodovias Washington Luis e Presidente Dutra (juntas, passam por doze Estados brasileiros, do Rio Grande do Sul até o Rio Grande do Norte).

Além de ser um local estratégico em função do fácil acesso, Pavuna está próxima do Aeroporto Internacional Tom Jobim, mais conhecido como Galeão, a apenas 18 km de distância. Trata-se de um eixo imprescindível para mercados de fretes aéreos, com um importante terminal de cargas, que comporta diversas operações em mais de 55 mil m².

Ocupantes importantes para a economia do Rio de Janeiro

O diretor da operadora FNC Logística, Márcio Oliveira da Silva, define a região da Pavuna como “a espinha dorsal” da distribuição de produtos no Rio de Janeiro. “Ela abrange a Zona Oeste, a Zona Norte, a Baixada Fluminense… E ainda tem acesso a rodovias que vêm de outros Estados”, diz. A empresa atua na região há cinco anos e recentemente transferiu suas operações para o condomínio logístico GLP Pavuna.

A região da Pavuna é a base de operação de importantes segmentos que movimentam a economia do Rio de Janeiro, com destaque para os seguintes setores: farmacêutico, transporte e logística, varejo/e-commerce, telecomunicações, atacadistas, alimentos e bebidas.

Mauricio Nascimento, coordenador de Locações da JLL no Rio de Janeiro, comenta que são operações com diferentes demandas, mas com algo em comum – a necessidade de operar perto do seu mercado consumidor e de vias de acesso, visando a elevar o nível de serviço ao cliente com entregas rápidas e um menor custo de frete. Para que isso aconteça, é imprescindível a operação estar estrategicamente localizada em imóveis eficientes, com melhor aproveitamento do espaço e mais agilidade na movimentação de cargas.

Marcello Queiroz Marinho, gerente de planejamento da distribuidora de alimentos Rio Quality, que ocupa uma área de 5 mil m² no condomínio logístico GLP Pavuna, também destaca a localização como uma das grandes vantagens proporcionadas pelo empreendimento. “O mercado de food service, que são os estabelecimentos que oferecem alimentação fora de casa, representa 97% das nossas operações. E cerca de 70% desses negócios estão concentrados na região da Grande Rio”, explica. “Na Pavuna, encontramos condomínios logísticos modernos, com rápido acesso aos principais centros consumidores da Região Metropolitana”, acrescenta.

grafico

Mercado em crescimento

A importância da Pavuna para o mercado carioca se reflete no crescimento da área ocupada na região, de 24 mil m² nos últimos quatro trimestres, o equivalente a um terço de todo o aumento da ocupação logística no Estado do Rio de Janeiro no período. A alta procura de empresas pela região para expansões ou novas operações resultou em apenas 77 mil m² de área vaga disponível no momento e em um estoque total de 278 mil m².

No último ano, a GLP concluiu 88 mil m² em novos empreendimentos no Rio de Janeiro. Desse total, 28 mil m² na região da Pavuna, no condomínio GLP Irajá, que já se encontra 100% ocupado. Com localização estratégica, na Rodovia Presidente Dutra, e também próximo aos aeroportos Santos Dumont e Galeão, o empreendimento terá uma área total de 136 mil m² quando estiver totalmente concluído. Os galpões GLP são de padrão AA e tecnicamente construídos para otimizar a eficiência dos clientes, com pé-direito livre de 12 m, armazenagem em até 6 alturas, niveladoras eletro-hidráulicas, sprinklers instalados e piso de concreto nivelado a laser com resistência de 6 t por m².

Além disso, há economia operacional: foram utilizadas telhas translúcidas para iluminação natural dos galpões, o que reduz 100% do consumo de energia, enquanto luzes desligadas e lâmpadas LED instaladas permitem até 70% de redução. O reuso de água no GLP Irajá minimizam em até 40% o consumo, e as louças e metais eficientes do condomínio geram uma economia de até 55% do gasto hídrico.

O exemplo do GLP Irajá mostra que a região possui empreendimentos capazes de oferecer o que há de mais moderno e eficiente no mercado de logística do País, trazendo ganhos reais aos seus clientes.

Nos últimos anos, as empresas que operam no país têm intensificado a busca por instalações logísticas com essas características, aquecendo o mercado e motivando a GLP a continuar investindo em instalações modernas na região, contribuindo para o aumento da produtividade em toda a cadeia”, afirma Mauro Dias, presidente da GLP Brasil.