Prédios verdes precisam de gestão eficiente

Leitura de 4,5min

Prédios verdes têm um enorme potencial para reduzir o consumo de água e de energia. Mas só com uma gestão eficiente de tecnologias, recursos e sistemas é possível alcançar retornos tangíveis para o investidor e para o planeta.

O conhecimento sobre os impactos positivos das certificações verdes de empreendimentos comerciais vem crescendo e amadurecendo nas últimas décadas. Hoje, há também mais tecnologias disponíveis e uma consciência maior sobre o uso racional de recursos, seus impactos ambientais, no cotidiano das pessoas e nas despesas operacionais.

Para acompanhar a evolução das tecnologias construtivas, as ferramentas de gestão predial e as atividades de gerenciamento de propriedades também evoluíram. “Esses fatores, somados, elevaram a qualidade técnica dos empreendimentos e sua capacidade para gerar menos impactos ambientais, garantir o bem-estar, a segurança e o conforto dos ocupantes”, explica Jorge Azevedo, da Regional de Gerenciamento de Propriedades da JLL no Rio.

Segundo dados do Green Building Council Brasil (GBC Brasil), entidade responsável pela emissão da certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) no país – e a certificação mais utilizada por aqui, até dezembro de 2017, o Brasil já somava 464 empreendimentos certificados LEED e apresentava 1257 registros para novas certificações. Esses números colocam o país na quarta posição do ranking global de certificações LEED.

Mais atratividade comercial

Os investimentos em estratégias para a certificação LEED aumentam a competitividade do empreendimento. Prédios sustentáveis atraem empresas ocupantes mais exigentes, que valorizam a certificação e tendem a ocupar o empreendimento por períodos mais longos.

“Além da economia de água e energia, que permite uma operação com custos otimizados, sabemos que o processo de comercialização também tende a ser mais dinâmico”, diz Azevedo.

A importância da gestão

Porém, ter toda a infraestrutura, sistemas e soluções tecnológicas embarcadas não basta para tornar um empreendimento sustentável e eficiente ao longo de sua vida útil. É aí que entra o papel da gerenciadora, que precisa ter a sustentabilidade já como uma premissa básica de seus serviços de gestão. Além de propor soluções para o uso racional de recursos, também precisa conscientizar e engajar os ocupantes, um ponto fundamental para ampliar o impacto positivo das ações sustentáveis.

“A certificação LEED garante um potencial de economia pela redução de consumo, mas esse potencial só se concretiza e traz resultados tangíveis com a boa gestão, operação e manutenção dos recursos e tecnologias, incluindo esforços conjuntos com ocupantes para educação ambiental e sustentabilidade”, diz Azevedo.

Centro do Rio cada vez mais verde

O Edifício JDK Torre Presidente – Leste, administrado pela JLL no centro do Rio de Janeiro, acaba de receber a certificação LEED Gold Core & Shell (Envoltória e Estrutura Principal).

O projeto foi concebido com as mais avançadas tecnologias e padrões construtivos, sistemas para uso racional de água e energia e aproveitamento de luz natural.

Como explica Azevedo, “adotaremos também a boa prática e técnica do compartilhamento ético e responsável de equipes e equipamentos com outros prédios próximos, também gerenciados pela JLL, o que esperamos contribuirá positivamente para otimizar processos e custos”.

Com a conclusão do JDK, agora o quarteirão é ainda mais verde, já que outros prédios vizinhos são todos certificados, como o Rio Office Tower e o State Grid Rio Corporate que são LEED Gold Core & Shell.

Outros empreendimentos na região do Centro conquistaram também o selo verde, como o Eco Sapucaí, LEED Gold Core & Shell, e o City Tower, certificado Nível Gold para prédios existentes: EB O&M.

“O mercado imobiliário do Rio está cada vez mais se conscientizando sobre as inúmeras vantagens de um edifício verde. E cada nova certificação representa mais um incentivo para estimular as construções sustentáveis na cidade”, diz Azevedo.

Aliando projetos construtivos e arquitetônicos sustentáveis a um modelo de gestão eficiente é possível reduzir o impacto ambiental e tornar o empreendimento um investimento rentável financeiramente. E que traz benefícios de longo prazo também para os ocupantes, para as cidades e para o planeta.