Primeiro galpão LEED Gold do Rio de Janeiro é cliente da JLL

Leitura de 7min

Investimentos em estratégias para certificação LEED aumentam o custo da obra de 2% a 3%, mas compensam, porque aumentam a atratividade e competitividade do empreendimento

O condomínio logístico Golgi Seropédica, cuja administração predial é feita pela JLL, é o primeiro do estado do Rio de Janeiro e o segundo em todo o país a conquistar o nível Gold da certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) Core and Shell.

De acordo com o US Green Building Council, a certificação LEED indica um desempenho exemplar do prédio nas fases de projeto e construção. E o nível Gold indica que foram adotadas medidas de economia de energia, água e recursos naturais na construção, foram utilizados recursos naturais locais e tomadas medidas que melhoraram a qualidade do ambiente de trabalho tanto durante a construção como para o usuário final.

A expectativa inicial era apenas obter a certificação LEED nível Certified, o nível básico, mas durante a concepção do projeto e na construção identificamos oportunidades de ir além e buscar um nível mais elevado, praticamente sem aumentar o custo da obra”, afirma Nelson Faversani, diretor de engenharia da Autonomy Investimentos, empresa proprietária do condomínio logístico Golgi Seropédica.

Segundo Faversani, os investimentos em estratégias para certificação LEED aumentam o custo da obra de 2% a 3%, mas compensam, porque aumentam a atratividade e competitividade do empreendimento.

Um produto certificado é dotado de recursos de economia de energia e água, por exemplo, que geram resultados durante toda a vida útil, que, neste caso, calculamos em 50 anos. Essa economia permite ter custos operacionais reduzidos e, consequentemente, um valor de condomínio mais competitivo”, observa.

Além disso, consegue-se fazer a locação mais rapidamente e para inquilinos melhores e mais exigentes, que valorizam a certificação e, por isso, apresentam menor rotatividade. Foi exatamente o que aconteceu.

Na primeira fase, conseguimos um inquilino, uma grande empresa do setor de e-commerce, antes mesmo de o galpão ficar pronto. Esperamos esse mesmo sucesso na segunda fase, que em breve estará no mercado”, afirma.

Segundo ele, a JLL, como responsável pela gestão do Golgi Seropédica, será um importante parceiro da Autonomy Investimentos. “A certificação LEED garante um potencial de economia pela redução de consumos, mas esse potencial só é realizado com uma boa gestão predial”, destaca. O empreendimento conta com um site na internet de educação ambiental e um book de sustentabilidade com boas práticas para locatários e usuários.

A eficiência na operação e manutenção é essencial para alcançar a economia hídrica e energética e para controlar os custos operacionais”, afirma a arquiteta Francine Naegele Vaz, da CTE (Centro de Tecnologia de Edificações), que fez a consultoria do projeto e da certificação. “Sempre procuramos operar da melhor maneira para prestar um bom serviço aos ocupantes e satisfazer o proprietário. Num empreendimento padrão LEED, nossa responsabilidade é ainda maior para fazer jus ao certificado”, afirma Rubens Carvalho, gerente de infraestrutura da JLL, responsável pelo Golgi Seropédica.

O Golgi Seropédica – situado no entroncamento do Arco Metropolitano com a Rodovia Presidente Dutra, num terreno de 522 mil m2 e área total de 241 mil m2 – é o primeiro empreendimento logístico da Autonomy Investimentos certificado pelo LEED.

Há 10 anos, temos certificado nossos empreendimentos de escritórios corporativos. A partir de agora, seguiremos nessa linha também com os galpões. Já temos um em construção e mais dois em projeto”, diz Faversani.

Diferenciais do Golgi Seropédica

Mobilidade – O condomínio oferece chuveiros e vestiário para apoio às pessoas que usam a bicicleta para ir ao trabalho e voltar.

Eficiência hídrica – Para reduzir o consumo de água, o paisagismo é de espécies nativas e foram instalados dispositivos redutores de vazão e arejadores nas torneiras e chuveiros e mecanismos de descarga dual flush. A partir de abril, o sistema de irrigação usará água tratada da ETE.

Eficiência energética – Chuveiros com aquecimento solar, priorização da iluminação natural para manter as luzes desligadas durante o dia, isolamento térmico, pintura de paredes e pavimentos com cores claras e uso de telhas de alta refletância, uso de ventilação natural são estratégicas que permitiram uma redução de 37% do consumo de energia em relação ao modelo da certificação.

Segurança – Controle de acesso de usuários e visitantes por biometria, cercas eletrificadas e dilacerador de pneus são mecanismos que agregam valor ao empreendimento.

Facilidades – O condomínio dispõe de sistema de pagers para a chamada de caminhões em espera. O restaurante tem instalações e equipamentos de última geração. Há também um auditório e 4 salas de treinamento, além de área de conivência, com entretenimento e lazer.

Foto cedida pela Autonomy Investimentos