Projeto Sebrae no Porto ajuda na profissionalização das micro e pequenas empresas

Leitura de 7min

A JLL acompanha com grande interesse o andamento do projeto Porto Maravilha, que nasceu focado no incentivo ao desenvolvimento de edifícios corporativos.

Junto com grandes obras e investimentos para dinamizar a região portuária do Rio de Janeiro, que viveu um processo de degradação, pobreza e abandono, o projeto Porto Maravilha está ajudando a revitalizar também as micro e pequenas empresas existentes nessa área e a atrair novos empreendedores.

Iniciado no final de 2011 com a assinatura de um convênio de cooperação técnica com a prefeitura, o Projeto Sebrae no Porto atua na capacitação e profissionalização de pequenos comércios e empresas de serviços instalados na área de abrangência do Porto Maravilha – que totaliza 5 milhões de m2 e abrange parte dos bairros de Santo Cristo, Caju, Gamboa, Saúde e Centro.

Segundo Flávia Guerra Barbieri, da Coordenação do Projeto Sebrae no Porto, começou a ser construído um novo centro da cidade há quatro anos, em decorrência do Porto Maravilha, o que vai promover a transformação de um “vazio urbano” em uma área dinâmica e moderna. O impacto será sentido em toda a cidade, mas principalmente entre os atuais ocupantes da região, que carecem de apoio sintonizado com o cronograma e a dimensão das mudanças.

Acreditamos que os pequenos negócios conferem vitalidade urbana ao território, tornando-o propício para a circulação de pessoas e, ao mesmo tempo, promovendo a qualidade de vida tanto dos que moram ou passarão a morar na região, quanto dos que para lá se deslocarão em função de atividades profissionais, turísticas e comerciais”, afirma Flávia.

Por meio de atendimento aos pequenos negócios da área e a empreendedores interessados em se estabelecer, o Sebrae atua para desenvolver e fortalecer as atividades produtivas na região portuária da cidade do Rio de Janeiro, contribuindo para a inclusão produtiva e a integração socioeconômica. A ideia é ajudar esses negócios a se prepararem para atender o novo perfil de pessoas que passará a circular na região, como turistas, moradores das novas áreas residenciais e pessoas que irão trabalhar nos futuros escritórios corporativos que se instalarão por lá em edifícios de alto padrão.

O que já foi feito

Em quatro anos, já foram realizados mais de 23 mil atendimentos em consultorias individuais e orientações técnicas, quatro Rodadas de Negócios para aproximar empresas âncoras da região portuária, três eventos Semana Porto Empreendedor com atendimento individual, palestras, oficinas, workshops e conexões com parceiros locais, desenvolvimento de roteiros de turismo, atendimento a empreendedores populares e a artesãos. Os setores mais beneficiados pelo projeto são os de alimentação fora do lar, economia criativa, tecnologia e informação e serviços.

De acordo com Flávia, os pequenos empresários atendidos mostraram deficiências em controles financeiros, baixos investimentos em divulgação e marketing, layout degradado, falta de informação e alinhamento do modelo de negócio com a transformação urbana, foco em público de baixo padrão e ausência de inovação.

Mas se mostraram otimistas em relação à transformação urbana e abertos à mudança e ao alinhamento do modelo de negócio”, diz Flávia.

Primeiros resultados

Os resultados do Sebrae no Porto já começam a aparecer. Antes focadas apenas no atendimento do cliente no período de segunda a sexta-feira, as empresas identificaram, por exemplo, a oportunidade de abrir nos finais de semana, especialmente após a inauguração do Museu de Arte do Rio (MAR). “Aos poucos, as empresas foram aderindo à proposta e atualmente já destacam que o sábado representa um dos melhores dias de faturamento do mês”, diz Flávia.

Além disso, ações de mercado desenvolvidas pelo projeto, como a criação de roteiros turísticos e gastronômicos, guias de compras e rodadas de negócios, contribuíram diretamente para o aumento no número de clientes das empresas atendidas.

As capacitações também contribuíram para a formação da rede empresarial, em que os empresários estabelecem mais contatos uns com os outros e iniciam parcerias e negócios entre si”, conclui Flávia.

Um ciclo completo

A JLL acompanha com grande interesse o andamento do projeto Porto Maravilha, que nasceu focado no incentivo ao desenvolvimento de edifícios corporativos.

O mercado respondeu muito bem a esse chamado, tanto que hoje existem inúmeros projetos em desenvolvimento, em construção e alguns concluídos. Esses projetos estimularam a revitalização imobiliária de todos os imóveis do entorno, induzindo a criação de serviços com qualidade muito superior à que existia antes. Os imóveis estão sendo reformados e as operações, melhoradas. As pessoas também estão se qualificando para receber um público mais exigente”, afirma o diretor de transações da JLL, Paulo Casoni.

Em sua opinião, o incentivo à construção de moradias na região completa o ciclo de um projeto planejado, pensado e com vida própria. Com o projeto Porto Maravilha, deve nascer uma região autossuficiente, que, entre outros benefícios, minimizará o impacto dos longos deslocamentos entre a residência e o trabalho que acontecem na cidade.

Foto do Museu do Amanhã: Shutterstock/ lazyllama