Leitura de 5min

As novas tecnologias provocaram mudanças radicais no mundo dos negócios. Para refletir essa realidade, é preciso repensar os ambientes de trabalho.

Conceber espaços de escritórios sempre foi um desafio para as empresas. Muito mais que planejar a distribuição do mobiliário, é preciso que o espaço atenda as necessidades específicas de cada organização e reflita seu fluxo de trabalho, seu modelo de gestão e sua cultura. Nesse sentido, a ocupação toma uma dimensão estratégica, já que estes ambientes inserem as novas tecnologias nos espaços, transformando a dinâmica do trabalho e propiciando maior flexibilidade e interação entre os colaboradores.

Depois da crise de 2008, as empresas passaram a adotar uma postura mais estratégica em relação à ocupação de espaços. Na América do Norte e na Europa, a preocupação com o ambiente de trabalho é crescente, as corporações concluíram que era hora de repensar o espaço para aumentar a produtividade, reter talentos, aumentar o índice de satisfação e fortalecer a marca.

As estratégias para a concepção dos espaços corporativos, chamadas de estratégias de workplace, precisam, necessariamente, ser flexíveis para dar apoio aos processos de trabalho. Nesse sentido, flexibilidade e customização são palavras-chave para estratégias de workplace bem-sucedidas, já que cada empresa tem sua missão e seus valores, sua cultura, suas políticas, e o escritório precisa refletir tudo isso, apoiado pelas ferramentas de tecnologia da informação necessárias.

Esse novo conceito de ambientes corporativos, já utilizado em outros países, começa a ser implantado também no Brasil. São espaços dimensionados para atender necessidades específicas durante uma jornada de trabalho, com locais de concentração e de trabalhos individuais, áreas para trabalhos em equipe, espaços privativos para telefonemas e áreas sociais de integração. Os novos escritórios, apoiados pela conectividade, permitem a mobilidade do funcionário, flexibilizando o uso das estações de trabalho.”

Para um projeto ser bem-sucedido e obter resultados é preciso ter o apoio da liderança e o engajamento dos colaboradores e, para isto, é preciso ter planos de change management e de comunicação robustos e contínuos. Essas estratégias precisarão acompanhar constantemente as mudanças nos processo de trabalho e a evolução da tecnologia.

A expertise da JLL em gerenciar projetos de espaços corporativos para grandes empresas já é largamente conhecida no mercado imobiliário em todo o mundo. Com dezenas de casos de sucesso na bagagem, em 2012, a empresa foi responsável pela gestão de projetos de escritórios no Brasil que totalizaram 107 mil m².

O trabalho é desenvolvido pela área de Gestão de Projetos e Desenvolvimento, responsável pelo gerenciamento do ciclo completo de um projeto, desde sua concepção até a entrega de um empreendimento pronto para o uso, os chamados projetos turn key. Além de espaços de escritório, a empresa também gerencia projetos para hotéis, imóveis industriais e de varejo. Em 2012, a área gerenciou projetos no Brasil que somaram R$ 1 bilhão.

Aproveite para assistir ao vídeo sobre o mesmo tema.

Christina Coutinho é gerente da área de Gestão de Projetos e Desenvolvimento da JLL.