Revolução no ambiente de trabalho

Leitura de 6min

JLL desenvolve implantação precursora de Workplace Innovation na América Latina.

Christina Coutinho, Gerente de Projetos | Foto: Fernando Cavalcanti

Pessoas, ambiente e tecnologia. Esses são os três pilares do WorkPlace Innovation (WPI), um novo conceito de ambiente corporativo que conquista cada vez mais adeptos no mercado global. A ideia é proporcionar a integração das pessoas e o uso de tecnologias de ponta, revolucionando a forma como os funcionários interagem e executam suas atividades, para garantir qualidade de vida e mais produtividade – e tudo com sustentabilidade e mobilidade.

A tendência mundial de escritórios mais humanos e colaborativos soma pontos em várias áreas das atividades de trabalho (leia detalhes na matéria Produtividade pura e simples). No Brasil, o pioneirismo na aplicação destes novos conceitos é da Philips, em projeto implantado e gerenciado pela JLL.

Nosso trabalho foi também o de agente multiplicador. Tivemos de entender minuciosamente o que é o WPI para garantir a aplicação correta de todas as premissas a serem aplicadas ao projeto de arquitetura, nas aquisições de novas tecnologias e na preparação das pessoas para essa nova maneira de uso do espaço de trabalho”, diz Christina Coutinho, responsável pela gestão do programa.

Mudança com foco em resultado

O desafio foi grande. Além de um escritório totalmente inovador e sustentável, sem diferenciação estrutural hierárquica e com estações de trabalho compartilhadas, 980 funcionários tiveram de sair de uma área de 11 mil metros quadrados para ocupar outra de oito mil metros quadrados, construídos em apenas 90 dias.

“Houve certa resistência interna à mudança, o que é normal, mas tudo foi muito bem pensado e gerenciado, inclusive com workshops de change management realizados pela área de Recursos Humanos da Philips”, diz Christina Coutinho. “Trabalhamos com uma equipe multidisciplinar junto às áreas de RH, Tecnologia da Informação e Real Estate da empresa e estabelecemos reuniões periódicas para coordenar os cronogramas das diferentes atividades.”

Para a arquiteta Claudia Andrade, da Andrade Azevedo Arquitetura Corporativa, autora do projeto da Philips, a atuação da JLL foi fundamental para o seu bom andamento. “A JLL foi muito pró-ativa – esteve o tempo todo alinhada com cada player do processo, e sempre à frente das atividades, definindo prazos e cronogramas”, diz ela.

Os resultados não poderiam ter sido melhores. A JLL cumpriu todos os prazos e não ultrapassou o orçamento – ao contrário, registrou economia de 20% na cotação inicial. Quanto aos funcionários, uma pesquisa da Philips revelou que o índice de rejeição às alterações caiu de 80% para 10% após a mudança. Não é para menos: os colaboradores tiveram uma grata surpresa com os ambientes bem dimensionados, iluminados e mobiliados de acordo com as exigências da empresa para melhor atender às necessidades dos usuários (confira no quadro Quer trabalhar lá em casa?).

“Aprendemos muito e conquistamos mais experiência para atender a casos semelhantes”, comemora Christina Coutinho. “O trabalho da área de Gestão de Projetos e Desenvolvimento da JLL é justamente esse. Fazemos um diagnóstico completo para dar ao cliente não só o que ele quer, mas o que precisa. Somos um conselheiro no caminho do cliente”.