São Paulo e Rio de Janeiro aparecem no ranking das cidades emergentes mais importantes do mundo

Leitura de 5min

A cidade de São Paulo aparece em sexto lugar no ranking das mais importantes cidades emergentes mundiais.

Pesquisa realizada pelo The Business of Cities da JLL revela que a velha e tradicional hierarquia mundial das cidades está acabando. Em seu lugar, cresce em importância um grupo de novas cidades e surge um novo conceito do que é ser uma cidade global. O centro de pesquisas sobre cidades é uma iniciativa pioneira da JLL e acumula 12 anos de informações sobre. Seu objetivo é ajudar os clientes a entender a evolução das cidades e a identificar oportunidades.

O relatório Globalização e Competição: O novo mundo das cidades, publicado em novembro, revela que as novas cidades globais são tipicamente de médio porte, fortes em tecnologia, altamente habitáveis com infraestrutura favorável e apoiados por especialidades globais. Boston, Denver, Miami e Seattle (Estados Unidos), Montreal, Toronto e Vancouver (Canadá), por exemplo, têm atraído pessoas talentosas, empresas e expressivos investimentos imobiliários.

A pesquisa da JLL prevê que elas vão estar na vanguarda de inovações no setor imobiliário, em estilo de vida, modelos de desenvolvimento urbano inteligentes e sustentabilidade.

Essas cidades são particularmente atraentes para os empresários, estudantes e jovens instituições”, afirma o diretor global de pesquisa da JLL, Jeremy Kelly.

Segundo ele, elas vão liderar em eficiência energética e edifícios inteligentes, por isso vão atrair investidores imobiliários que consideram a sustentabilidade em suas decisões.

A cidade de São Paulo aparece em sexto lugar no ranking das mais importantes cidades emergentes mundiais, atrás de Xangai e Pequim, também conhecida como Beijing, ambas na China, Dubai (Emirados Árabes), Mumbai (Índia) e Moscou (Rússia). Em comum, caracterizam-se por ser capitais de negócios e políticas e caminho para investimentos e comércio mundiais. O desenvolvimento desse grupo, porém, é desigual. Enquanto Shenzhen (China), Dubai e Bangalore (Índia), por exemplo, se globalizam rapidamente e Jacarta (Indonésia), Manila (Filipinas) e São Paulo fazem melhorias notáveis em competitividade, Daca (capital de Bangladesh) luta para acompanhar o ritmo da mudança global.

São Paulo e Moscou são centros regionais de negócios e 30% de seu PIB é derivado de negócios e serviços financeiros. Ao lado de Manila e Johanesburgo (África do Sul), Rio de Janeiro é citada como um centro movido pelo setor público e mídia.

Foto: Shutterstock/ Thiago Leite