Sistemas de climatização garantem conforto e bem-estar às pessoas em ambientes fechados

Leitura de 5min

Associação Brasileira de Normas Técnicas oferece as diretrizes necessárias para o desenvolvimento de um projeto de climatização eficaz.

Diariamente uma pessoa respira cerca de 10 mil litros de ar e permanece 85% do seu tempo em locais fechados, como hospitais, escritórios, academias, bancos e shoppings. Os dados divulgados pela Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-condicionado, Ventilação e Aquecimento
(Abrava)
reforçam a importância de um tema pouco abordado, mas relevante para a garantia do conforto e bem-estar do público que frequenta esses ambientes: a climatização.

Segundo o engenheiro Edison Greca, gerente da área de Gestão de Projetos e Desenvolvimento (PDS) da JLL, as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) oferecem as diretrizes necessárias para o desenvolvimento de um projeto de climatização eficaz, que não se resume apenas ao sistema de ar-condicionado. “Essa realidade envolve duas questões: a climatização e a renovação do ar”, explica, ao mencionar que o segundo item refere-se à preocupação com a vazão do ar concentrado em um local fechado. “Isso consiste na tomada de ar externo, via dutos e equipamentos de ventilação, responsáveis pela retirada do ar viciado no ambiente”, completa.

Para calcular o volume do ar que precisa ser reciclado em um determinado espaço – que resultará na instalação de dutos e ventiladores – é necessário ter a quantidade de pessoas que o ambiente comporta, as dimensões exatas do local, além da presença de elementos voláteis dos materiais do ambiente, como o carpete, a tinta usada nas paredes, entre outros. Esses dados são processados através de fórmulas e gráficos, ou mesmo por meio de softwares especializados, que geram os parâmetros de dimensionamento de equipamentos e tubulações para os ambientes.

Em grandes áreas de estacionamento, por exemplo, há uma concentração de monóxido de carbono que exige a renovação constante de ar, feita por dutos que ligam estes ambientes as áreas externas, além de sistemas de ventilação e filtragem. Isso exige uma análise criteriosa”, conta Greca.

Ele também menciona que a carga térmica é outro elemento importante no processo de avaliação de ambientes fechados. “As pessoas emitem dois tipos de calor: o sensível, emitido pelo corpo, e o latente, provocado pela respiração e transpiração. São variáveis que fazem a diferença, dependendo do perfil do empreendimento. Se compararmos a carga térmica em uma sala de cinema e em uma academia, por exemplo, obteremos resultados completamente diferentes. Esses dados precisam ser levados em consideração”, avalia.

Um sistema de climatização otimizado, na opinião de Greca, gera uma demanda menor de equipamentos de ar-condicionado, tratando-se também de uma medida sustentável.

Quanto melhor a integração entre o projeto arquitetônico e o projeto de climatização de um empreendimento, maior será o potencial de um bom sistema de climatização. Afinal, o tipo da cobertura, da fachada, o revestimento, a cor das paredes externas, entre outros fatores, contribuem para a retenção ou não de calor em um espaço”, diz o engenheiro, ao ressaltar que durante o processo de consultoria, a JLL faz uma avaliação sobre as condições destes sistemas.

Num segundo momento, caso o cliente pretenda implantar ou aprimorar a climatização em seu empreendimento, a empresa conta com os serviços de parceiros especializados.