Sustentabilidade na operação

Leitura de 5min

Edifícios administrados pela JLL obtêm certificação pioneira no Brasil.

 

A JLL comemora uma conquista inédita em seu portfólio: os edifícios sob sua gestão, Padauiri e Demini, que fazem parte do Centro Administrativo Rio Negro em Alphaville, foram contemplados com a certificação LEED® for Existing Buildings: Operation & Maintenance (EB:O&M), na categoria Silver – Multiple Buildings, concedida pelo United States Green Building Council (USGBC).

O certificado avalia e reconhece soluções e tecnologias sustentáveis adotadas no processo de operação e manutenção de empreendimentos já existentes, com o objetivo de reduzir os impactos causados no meio ambiente. O projeto teve início em outubro de 2010 e passou por fases como o período de performance, de dezembro de 2010 a fevereiro de 2011, e esclarecimentos ao USGBC.

Para Wagner Oliveira, coordenador do Centro de Tecnologia de Edificações (CTE), que prestou consultoria em sustentabilidade no projeto, uma das dificuldades foi interpretar as normas do USGBC. Foi necessário o envolvimento e o desenvolvimento de fornecedores para que as adequações ocorressem. Brunno Freitas, coordenador do projeto pela São Carlos, conta que a maioria das adequações foram feitas visando a eficiência dos prédios.

As ações incluíram projetos de eficiência energética; mudanças no processo de limpeza; implantação de reciclagem de bitucas de cigarro, toners, lâmpadas, pilhas e baterias; novo sistema de poda; controle de enxurradas e redução da erosão; análise dos produtos de limpeza e de controle de pragas para a adoção de produtos menos nocivos à saúde e ao ambiente; adoção da carona corporativa para minimização do impacto dos transportes, entre outros. Além disso, o complexo já foi concebido com alguns diferenciais de sustentabilidade, como sistema de captação de água de chuva, o que favorece também a gestão eficiente da água.

Os resultados são consumo de energia 41% menor em relação à média nacional de prédios similares existentes, com base no Energy Use Index (EUI); 20% de redução no consumo de energia das áreas comuns em comparação com o mesmo período de 2010, diminuição de 35% no consumo total de água utilizado nas torres de resfriamento e 100% de economia de água potável para irrigação.

As ações refletem no custo para o condômino e a economia na operação chega a uma mensalidade de condomínio por ano, segundo a administração.

Jornalista Responsável: Velma Gregório – MTB 5497