Telhado verde, uma tendência aqui e lá fora

Leitura de 5min

Na França, já é lei: os novos edifícios comerciais serão obrigados a instalar telhados ecológicos ou painéis solares.

Na França, já é lei: os novos edifícios comerciais serão obrigados a instalar telhados ecológicos ou painéis solares. No Brasil, existe um projeto de lei na Câmara Federal, de 2011, que visa incentivar as edificações urbanas a adotarem o chamado “telhado verde”. O fato é que, por determinação legal ou não, a ocupação das coberturas de prédios com jardins vem se fortalecendo como tendência.

A ideia não é exatamente uma novidade. Quem não ouviu falar dos Jardins Suspensos da Babilônia, que ninguém sabe ao certo se existiram ou não e que são atribuídos ao rei Nabucodonosor, no século VI antes de Cristo?

No Brasil, ficaram famosos os jardins do Palácio Capanema, construção da década de 1940, ícone do modernismo brasileiro, que foi sede do Ministério da Educação no Rio de Janeiro e hoje abriga a Funarte – Fundação Nacional das Artes. Restaurado nos anos 80, o edifício tem um conjunto de três jardins: o do térreo, o do terraço e o da cobertura.

Com a evolução das discussões sobre preservação ambiental e consumo racional de energia, volta a ganhar força a tendência dos telhados verdes – também chamados ecotelhados.

Os defensores da proposta asseguram que essa alternativa apresenta diversas vantagens. Uma delas é que os telhados verdes melhoram o isolamento térmico da edificação, protegendo contra as altas temperaturas no verão e ajudando a manter a temperatura interna no inverno. Melhoram, também, o isolamento acústico, uma vez que a vegetação absorve e isola ruídos. Mais: as plantas retêm água da chuva, auxiliando a sua drenagem. Colaboram, ainda, para diminuir a poluição, melhorar a qualidade do ar e aumentar a biodiversidade, atraindo pássaros e borboletas.

Em São Paulo, decreto da prefeitura, de março do ano passado, permite que empresas façam compensação ambiental de obras e serviços por meio da instalação de jardins verticais ou telhados verdes. Dois edifícios ao lado do Elevado Presidente Costa e Silva, o Minhocão, já instalaram jardins verticais, que ocupam paredes onde não há janelas (chamadas empenas cegas). Outros projetos na região estão em andamento. De acordo com a Secretaria do Verde, a temperatura interna de prédios com jardins verticais fica até 7oC mais baixa.

Está aí uma tendência, dentro e fora do Brasil, que tem tudo para ganhar espaço e colaborar para um ambiente melhor.

Leia também: Construções verdes recorrem ao gerenciamento de propriedades

Foto: Alexandre Brum – telhado verde do Edifício Marques dos Reis, no Rio de Janeiro