Tendência é de recuperação de preços no mercado de escritórios corporativos em São Paulo

Leitura de 5min

O Relógio Imobiliário – ou JLL Clock – indica que ainda há boas oportunidades para locatários ou para aquisição de imóveis. Mas os preços mostram tendência de alta na capital paulista.

A pesquisa Capital Markets: tendências do mercado imobiliário, que acaba de ser divulgada pela JLL, indica que o mercado de escritórios corporativos está começando a mudar em São Paulo. Os ponteiros do JLL Clock estão marcando 6 horas.

relatorio-relogio-imobiliario

Mas o que isso significa?

Eduardo Miyamoto, da área de Pesquisa e Inteligência de Mercado da JLL, explica que o mercado imobiliário é cíclico e muda em função da demanda e da oferta. Nos últimos três anos, havia sobreoferta em razão de muitas entregas de edifícios e ainda pela retração macroeconômica. A taxa de vacância elevada favorecia os interessados em fazer uma locação, pois conseguiam descontos e outras facilidades dos proprietários.

Esse cenário está ficando para trás. Quem tem planos de expansão ou quer mudar para um escritório melhor e bem localizado deve se apressar, porque estamos observando a redução da oferta em regiões nobres, e os proprietários começam a se mostrar menos flexíveis nas negociações”, diz Miyamoto.

O mesmo vale para os interessados em adquirir imóveis comerciais com preços interessantes. A expectativa de queda do dólar e da taxa de juros básica, a redução da oferta e a falta de novos projetos, principalmente em regiões primárias, nos chamados endereços mais nobres, como na Paulista e Faria Lima, devem contribuir para a recuperação de preços. “Vemos uma janela de oportunidades se fechando”, afirma Ricardo Hirata, também da área de Pesquisa e Inteligência de Mercado da JLL.

Por que essa reversão no cenário?

Entre outros, dois fatores justificam uma nova tendência no mercado de escritórios em São Paulo, conforme a pesquisa Capital Markets: tendências do mercado imobiliário.

O primeiro fator é a recuperação de preços. Já percebemos uma redução na diferença do valor pedido e do valor transacionado. Vemos um crescimento lento, mas constante, do preço transacionado. Segundo, porque identificamos a menor flexibilidade dos proprietários, baseada na expectativa de recuperação macroeconômica e da volta da confiança da indústria e do consumidor”, explica Miyamoto.

Por que o momento é agora para o ocupante ou comprador?

Saber aproveitar os ciclos imobiliários é fundamental para fazer um bom negócio e garantir a liquidez futura do ativo. Ciclos imobiliários duram anos. No Brasil, o acompanhamento da JLL indica que duram em média 10 anos. No momento, a hora ainda é favorável ao ocupante e ao comprador.

Saiba mais sobre os ciclos imobiliários e o JLL Clock.