Um novo escritório para uma nova geração

Leitura de 2min

Um dos grandes benefícios apreciados pela geração Y é a mobilidade e a avaliação por entrega de resultados, e não por horas trabalhadas

Motivados por um propósito, dinâmicos e com alta afinidade com o mundo digital, a geração Y (nascidos entre 1980 e o começo dos anos 2000) encara o espaço de trabalho e a própria atividade que realiza nas empresas de uma forma diferente das gerações anteriores. Representam um grande potencial para as empresas que buscam inovação e produtividade. Como então os novos escritórios estão se tornando um espaço de trabalho que os torne felizes e engajados? Conversamos com Gabriela Pizarro, gerente de projetos da JLL, sobre esse novo escritório para essa geração que movimenta a economia.

Gerente de Projetos da JLL.

Gabriela Pizarro, gerente de Projetos da JLL

Panorama – Como os novos escritórios atendem à nova força de trabalho, representada pela geração Y?

Gabriela Pizarro – Facilitador. Se eu pudesse definir um adjetivo fundamental para os escritórios, seria esse. Um dos grandes benefícios apreciados por essa geração é a mobilidade e a avaliação por entrega de resultados, e não por horas trabalhadas. Sendo assim, o que nos atrai – porque eu sou geração Y – a um local físico da empresa é saber que nossas atividades lá são mais produtivas e agradáveis. Alguns pontos-chave são a ergonomia, o conforto e o ambiente agradável, a interação e facilidade de comunicação interna e externa, acesso a pessoas e tudo aquilo que torne a experiência das suas atividades mais ágil e completa.

A geração vive o crescimento da internet e das novas tecnologias, da inteligência artificial, da economia disruptiva. Como o escritório oferta essas novas tecnologias e quais são os resultados?

Gabriela Pizarro – Não deu para ignorar o Uber, assim como o AirBnB e Nubank. As empresas têm que acompanhar as inovações que estão nas ruas e nas vidas de todos seus funcionários, não só da geração Y. Claro que Z e Y irão sempre testar e buscar por isso, mas geração X e baby boomers hoje também já fazem uso – claro que mais moderado – de soluções disruptivas. Os departamentos de Recursos Humanos, Tecnologia da Informação e Facilities precisam pensar em soluções que dão suporte à velocidade de que os negócios precisam. Fazer reembolso de maneira ágil, uso de aplicativos do celular para comunicações, reuniões, registro de informações. As empresas que hoje investem em tecnologia e desenvolvimento de sistema têm uma maior produtividade. E, sendo prática, não é necessário que sua empresa faça grandes investimento numa ferramenta própria, quando há diversos players no mercado que proporcionam ótimas soluções. Por exemplo, você não precisa mais investir em ativos como equipamentos de videoconferência, você pode usar sistemas como Bluejeans, Zoom in, Arkadin, Teamviewer etc, só para citar alguns.

Essa geração também tem um cuidado maior com a saúde, alimentação e bem-estar. Esses novos espaços de trabalho estão prontos para atender também essa demanda por bem-estar, no trabalho? Você tem exemplos práticos para nos mostrar, em algum projeto já implementado?

Gabriela Pizarro – Hoje um dos pontos mais solicitados em projetos por uma demanda interna são as áreas de copa e cozinha. Realmente, essa geração se preocupa muito com a saúde, então um local para pessoas que possam trazer sua própria comida é quase como um must have nos projetos.  E não pode ser um local de “marmita”, tem que ter infraestrutura adequada e ser agradável. Isso significa um bom sistema de exaustão, espaço para armazenar e aquecer as comidas, e pequenos itens que mostram a preocupação da empresa com aquele local, como guardanapo, temperos etc. Há também casos de clientes que investem em amenities. Temos disponível fornecedores do setor alimentício que abastecem as copas das empresas com comidas naturais, vending machines, culinária temática e outros atrativos. Em resumo, o funcionário passa a ser um cliente interno.

Traduzindo numa maneira objetiva, temos hoje a certificação Wellness que preza justamente por esse bem-estar. Hoje, esse é um grande diferencial e atrativo para retenção de talentos, pois o foco está no bem-estar do funcionário, algo até então inexistente no mercado. A certificação LEED tem como consequência um ambiente de trabalho mais adequado, porém seu foco está no uso consciente de materiais e consumo.