Você pode observar

Um edifício corporativo pode ser comparado ao corpo humano. Existe uma série de sistemas organizados que funcionam harmonicamente para mantê-lo “vivo e saudável”. Esses sistemas ajudam os usuários e visitantes a terem segurança, conforto e bem-estar nas dependências do edifício todos os dias. Cada sistema, vamos dizer assim, exerce uma função importante. E, se um deles parar, prejudica o funcionamento dos demais.

A Central de Segurança e Operação, por exemplo, é como se fosse o “coração” do empreendimento. Todos os sistemas dessa Central monitoram, controlam e operam remotamente os equipamentos por meio de softwares específicos, sem a necessidade da presença de pessoas no local.

Alguns são gerenciados e operados pelo que chamamos de Building Management System (BMS). Esse sistema permite monitorar e controlar várias utilidades automaticamente através de informações previamente cadastradas, recebendo intervenção apenas quando necessário, por exemplo, para alterar a temperatura do ar-condicionado de determinado ambiente ou para ligar ou desligar um equipamento, não previsto na programação habitual.

A Central de Segurança e Operação toma conta de tudo o que acontece. Podemos destacar os seguintes sistemas: central de água gelada (chillers, bombas e torres de condensação); controle de acesso (catracas e cancelas); circuito fechado de TV (CFTV); detecção e alarme de incêndio (SDAI); bombeamento de água potável, pluvial e esgoto; pressurização de escada; exaustão das garagens; monitoramento do nível de água das caixas d’água; iluminação das áreas comuns e elevadores.

E por falar em elevadores, um dos sistemas mais utilizados é o Transporte Vertical, que comanda o transporte dos elevadores. O desafio desse sistema é atender as chamadas e transportar os usuários no menor tempo possível. Um sistema computadorizado mapeia os andares constantemente e indica qual elevador atenderá a cada chamada, otimizando o tempo e reduzindo o gasto com energia elétrica. Atualmente, existem elevadores que possuem o sistema de regeneração de energia, o que reduz o seu consumo de energia. O Sistema de Transporte Vertical é monitorado pela Central de Operação, que pode controlar os elevadores e intervir quando necessário.

O “sistema respiratório” do prédio seria aquele que compreende os chillers, bombas e torres de condensação. Sem ele, as pessoas não conseguiriam trabalhar em ambientes fechados. Também pode ser operado remotamente, ligando e desligando chillers, bombas de água gelada e de condensação e as torres de resfriamento. A gestão é feita pelo BMS, que, por meio de sensores de temperatura instalados nos ambientes de trabalho, identifica, por exemplo, a necessidade de insuflar ar para atender a uma determinada carga térmica. Esse sistema também comanda a abertura de válvulas denominadas VAVs, que climatizam o ambiente.

Já o Sistema de Energia Elétrica, que inclui, por exemplo, a cabine primária e o gerador, pode ser comparado ao “sistema circulatório”, responsável por levar oxigênio e nutrientes ao corpo.”

Outros sistemas importantes são o Sistema de Dados e Voz, responsável por plugar seus usuários em contato com o mundo, seja pelo telefone ou pela internet; o Controle de Acesso, que monitora a entrada e saída de pessoas e veículos e também armazena as informações de todos os usuários; o CFTV (circuito fechado de TV), que monitora 24 horas por dia todas as áreas comuns do empreendimento, armazenando imagens; o sistema de detecção e alarme de incêndio (comandado através de um painel digital, monitorando as áreas comuns e privativas por meio de detectores de fumaça e botoeiras); o sistema de bombeamento de água potável, pluvial e de esgoto; os sistemas de pressurização e exaustão e os sistemas de iluminação, que também evitam o desperdício de energia.

Já a administração predial, exercida pela equipe da JLL, é o equivalente ao sistema nervoso central. Como nosso cérebro, essa área gerencia todos os sistemas do prédio, estabelece melhorias e define prazos, executa um plano de ação – consistente e efetivo – em parceria com o síndico e proprietário para que o empreendimento esteja sempre moderno, atual e valorizado no mercado.

É a administração do empreendimento que cuida – dentro das normas brasileiras e das melhores práticas – da qualidade de vida do proprietário, do ocupante e de todos os visitantes todos os dias, da hora em que chegam à hora em que voltam para casa, encerrando mais um dia de trabalho. Assim como o corpo, o prédio continua noite adentro funcionando, trabalhando com seus sistemas em harmonia.

Assista ao vídeo “Bastidores de um Edifício” e conheça um pouco mais sobre esses sistemas que permitem a esse organismo continuar “vivo e sadio” por muito tempo.