Vila Olímpia: Uma região em transformação acelerada

Leitura de 5min

A Vila Olímpia, em São Paulo, já foi, quem diria, uma bucólica região de chácaras onde era possível caçar e pescar.

Cortada por grandes avenidas e área de imponentes edifícios comerciais, a Vila Olímpia, em São Paulo, já foi, quem diria, uma bucólica região de chácaras onde era possível caçar e pescar. Com os primeiros sinais de urbanização em meados de 1930, os barcos e a caça foram proibidos, e a região, considerada distante do centro da cidade, era ocupada por comerciantes, operários e imigrantes. Em razão dos constantes alagamentos por transbordamentos de córregos, era uma das mais desvalorizadas da cidade.

De lá para cá, as transformações foram gigantescas. No lugar de um antigo cortiço, em 1976, foi inaugurada a Avenida Juscelino Kubitschek. A Operação Urbana Faria Lima, um projeto de 1995, reorganizou os fluxos de tráfego particular e coletivo com o prolongamento da Avenida Faria Lima e sua interligação com as Avenidas Pedroso de Moraes e Hélio Pelegrino, entre outras melhorias na malha de transportes.

Com a ampliação da oferta de empreendimentos corporativos na Faria Lima e entorno, houve um deslocamento do centro financeiro de São Paulo para a região, que hoje concentra também os escritórios de empresas de tecnologia, consultorias e grandes empresas de diversos setores.

A inauguração do São Paulo Corporate Towers, no início de 2015, um Triple A, na esquina das Avenidas Juscelino Kubitschek e Chedid Jafet, em frente ao shopping JK Iguatemi, é mais um marco da transformação da região, que tem hoje um dos metros quadrados mais valorizados da capital paulista, tanto em prédios comerciais como em residenciais, por ser uma região muito nobre, com vizinhos como Itaim, Morumbi, Alto de Pinheiros, Moema e Vila Nova Conceição.
É plana, com farto transporte público e boa malha viária, tem fácil acesso ao Aeroporto de Congonhas, abriga sofisticados shoppings e é servida de excelentes restaurantes e bares.

Foto: Pedro Abude